BLOG

13
NOV'13
Feat. Seyr
Writers Bench

Writers vêm, writers vão... Uma expressão muito usada no mundo do graffiti, sem exclusão de partes. Mas quem ficou e não arreda pé é SEYR The MADMAN.

Infelizmente desconhecido e esquecido por muitos writers, mas ao mesmo tempo respeitado e bastante aplaudido por outros.

Conhecido por ser um dos writers com mais talento, dedicação, skill e técnica, entre outras qualidades que o fazem ser o writer único que é. Estivemos juntos no Writers Bench e este foi o resultado da nossa conversa.


Faz-nos uma breve introdução do teu início no graffiti, e a escolha do tag Seyr.
Eu prefiro fazer do que falar para contar esta historia.

Foi basicamente quando vi graffiti pela primeira vez com boas linhas compactas e bem marcadas, linhas certas a marcar bem um estilo de bombing fat como o Bzar no Areeiro, em hotspots a exibir alta postura e classe na rua. Sem falar do Exas ou do Rak, isso já era algo impossivel para mim de se fazer, logo para nem começar a pintar, desistir por completo de graffiti.

Era toy, completamente, nem sabia desenhar, nem gostava. Mas gostava daquela postura de quando via um bom graff. Senti que tinha que ter um tag e fazer o mesmo!

Seyr (don´t ask me why) não sei porquê, mas vi grandes publicidades nas carrinhas da Seur. Via graffs do Seen e Zephyr na internet e foi um mix dos dois. Viciei e fiquei viciado até hoje, neste vicio que é o graffiti, tipo droga.


Qual é o estilo que te define, quais foram as tuas influências no passado, e no presente?
No passado era tudo o que via nas ruas de Lisboa e arredores, Cncrew, R1 (res,hyar aka quê?) Byzar, Silverkids Obey, eles pintavam nas horas, Rak e o Bugster (os que mais me agarram a isto naquela altura) ja eram mágicos, Clann crew em geral (para quem não sabe, mega crew de hall of fames nos finais dos 90s início de 2000 da linha da Azambuja).

Hoje em dia com a internet, o mundo inteiro a pintar, toda a gente me influência, mas curto o graffiti subway style de NYC, a história, manter essa magia e senti-la.


Como estas a ver o graffiti hoje em dia? Quais são as diferenças que vês entre a old school e a new school, tanto no fame como no bombing?
O Graffiti mundial está muito bom. Cá também temos grandes writers, mesmo de graffiti, grandes peças, falta só mais hall of fames como havia antigamente aqui na linha da Azambuja.

O Bombing está bacano, está a rolar tanto em Lisboa como nos arredores. 


Quem é que para ti está em altas no graff português, e quais os principais factores para ser um bom writer?
Todos os que se preocupam com abusos, com dopestyles e fresh pieces. Pensar sempre nesse impacto, cultura e respeito. 


Graffiti vs Street art, a batalha que tem vindo a ser discutida nos últimos tempos, qual a tua opinião
Curto Street art mas quando descobri o graffiti não me lembro desse termo existir. O meu interesse era graffiti mas secalhar também sou artista de streetart. Streetart, no entanto, é outra cultura, outro estilo, outra base. Para mim graffiti também acaba por ser streetart. 


Trains, street, Tags, fames, algo que as ruas estão habituadas a receber, qual te dá mais pica?
Todos, com uma boa companhia, fames, street, tags, ganjaweed, sketch drawing. 


Graffiti em geral como em quase tudo na vida, é competitivo, indirecta ou directamente acabamos por rivalizar com outros writers, tens esse lado competitivo?
Tenho, hoje em dia por outras e pelas mesmas razões que antes, ligo mais a style e a desenho.
Gosto mais de ver as peças dos outros do que das minhas, sou preguiçoso desenho mais do que o que pinto. 


Legal ou ilegal?
Legal e ilegal, ganja it´s not legal. 


Writers estrangeiros... Uns quantos q aches serem os melhores?
Isso é dificil de responder, eu gosto de tantos writers diferentes, desde o que faz toy style até ao writer mais wildstyle e elaborado. 


Viagens ao estrangeiro? Onde estiveste, onde gostarias de ir, e claro as pinturas.
Viajo todos os anos a Espanha, tenho bons writers amigos meus que vivem lá, o Aigor, Sawe, Guan, Rate, Sonar. Lá pinto fames, metro e trains. Já estive em paris a pintar fames, street, trains e sub. Estive na Holanda mas só pintei paredes, e street art, muitos stikers, muita erva. Não conhecia ninguém. Nunca viajei muito, nunca tinha dinheiro. Agora trabalho nas férias e vou tentar ir a paises em que nunca estive. 


Top 10 tuga.
Não quero ofender ninguém, mas aqui vai: Atsok, Caver, Myster, Mazar, Ble, Que?, Mask, Creyz, Risko, Alrt, Kiler, Pashe, Miks, Rak, Malx, Tosco, Crea e Soba. Bugster one love. 


A banda sonora perfeita para as pinturas?
Eletrofunk, 80s style com sintetizadores e caixas de ritmos e um granda bass. LEGOWELT - pierres art gallery.


Palavras para os futuros e actuais writers.
Mentes conscientes, enjoy, e protejam os pulmões! 


Real graffiti 4 life?
Na vida e na alma. 


Últimas palavras...
Peace and love. 
 


ÚLTIMAS NOTICIAS