BLOG

12
MAR'14
Feat. Hior
Writers Bench 13
O nosso convidado de hoje, não é dos mais conhecidos, mas já tem um bom percurso. Já viajou bastante e pintou o suficiente para marcar o seu estilo no mundo do graff. Falámos com o Hior, que nos últimos tempos tem vindo a aparecer mais e mais nas ruas de Lisboa e arredores, a nova escola a ser representada da melhor forma.


Quanto tempo já tens de actividade? 
Comecei a interessar-me por graffiti em 2007 mas só em 2008 comecei a pintar.
 

Hior foi sempre o teu tag, ou já tiveste outros?
No início mandava outros, mas depois fiquei por Hior, de vez enquando apetece-me mandar outros nomes.


Conta-nos um pouco como foi o teu início?
Comecei como todos os toys, primeiro pintava em sítios que ninguém via, depois comecei a pintar na rua e mais tarde trains, etc.


De todo esse caminho, tens saudades de algum momento?
Várias alturas, tenho saudades de quando tinha mais tempo para pintar, de alguns sítios que visitei lá fora, amizades que fiz e todo o que vem com isso.


Quem foram as tuas influências, nesses tempos, e quais são agora?
Quando comecei a pintar influenciava-me com o que me rodeava, o movimento em Lisboa principalmente, depois comecei a ver mais coisas, outros sitios e à medida que fui crescendo e passando por vários lados as minhas influências também foram aumentando. Agora ja não sei de onde vem as minhas influências acho que tudo o que vejo conta.


O que é para ti Graffiti, que impacto têm na tua vida?
Para mim é mais que pintura, faz parte da minha vida já me trouxe bons e maus momentos, mas sem o graffiti teria sido outra pessoa com um percurso completamente diferente. indenpendentemente de tudo não trocaria o graff por nada.


Apaixonado pelas ruas e trains, mais alguma coisa?
Nos últimos tempos comecei também a pintar em spots mais chill para desenvolver mais o estilo e o skill. Mas a minha prioridade sempre foi o graff ilegal.


Qual é o feeling que tens ao pintar na rua e nos trains?
Adrenalina, satisfação e aventura. 


Pintas com que regularidade?
Sempre que tenho tempo, tento que seja pelo menos uma vez por semana.


Acompanhado ou sozinho?
Quase sempre acompanhado mas às vezes também me apetece pintar sozinho.


Traças assim algum plano, para as pinturas que fazes ou é consoante o feeling que tens no momento?
Penso muito antes, faço projectos no papel antes de ir pintar, mas não os levo comigo na altura improviso sempre um bocado.


Preocupas-te, com a qualidade ou preferes mais quantidade?
Antigamente preocupava-me mais a quantidade, mas agora prefiro a qualidade, acho que para ser completo é necessário ter quantidade e qualidade.


Quem destacas no Graff tuga?
Uma pergunta difícil, hoje em dia há muitos writers, respeito muito a geração mais velha, e tudo o que fizeram pelo movimento e os que ainda resistem ao tempo. Em geral todos os que mostram dedicação e paixão pelo graff.


Viagens pelo mundo fora? Produtivas?
Já viagei um bocado, Alemanha, Austria, Suiça, Eslováquia e Espanha.


Algo que queiras fazer muito, aquele modelo único?
Nunca pensei muito sobre isso, há vários, mas não penso muito numa lista de modelos para fazer, não é o meu objetivo. Mas gostava de ter oportunidade de pintar mais uns quantos na Europa e fora dela.


Uma meta a atingir no futuro?
Muitas experiências, viagens, novas amizades, conhecer outros sítios etc.


Estaras cá daqui a 10 anos para mais uma nova entrevista?
Sem dúvida.


Palavras para toda a malta activa.
Continuem com o bom trabalho, mas mantenham a humildade,  somos todos iguais ninguém é mais que ninguém.


Props
.
Para as minhas crews OFS e R.CLUB . Para os SHDHC, SWEL, PIMS, PARKS, EBIR,POLM e todos os meus amigos.


ÚLTIMAS NOTICIAS