BLOG

29
JAN'14
Feat. Eler
Writers Bench #10
Desta vez fomos até ao norte, uma área com forte actividade de street bombing e trains.Mesmo apesar da tolerância zero, e as limpezas constantes nas ruas, a actividade mantêm-se e bons writers representam em condições o graff.
Encontramos o Eler, que é constante nos trains do Porto juntamente com outros writers de destaque.

Quem reside no Porto sabe do que estamos a falar, sabe qual a  capacidade dos writers do norte, o Eler não é exceção.


Quantos anos já tens neste jogo?
Alguns, não muitos, faz 10 este ano.
 
Onde começou a tua história no graffiti?
Ora bem, começou no meu 9º ano, mudei de escola e conheci o Kesh, que já pintava, já tinha uma crew, e passava a vida a desenhar nas aulas, eu achei piada aquilo, e como nunca fui de estar muito atento às aulas, ia fazendo igual, como mais meia dúzia de colegas de turma, mas sempre me achava o elo mais fraco, mas no entanto, o vício deles durou um ano lectivo apenas. O que é certo é que continuei, achava incrível poder ter o meu nome por todo o lado, lembro me de ver os primeiros bons filmes de graffiti e ficar parvo, como é que eles pintavam os comboios e os metros, ficava parvo, acho que foi ai que me senti wannabe a única vez na minha vida, queria ser como aqueles dreads, fazer aquelas cenas. Lembro me de ir a pé para a Boavista para ver grafs, parava minutos a olhar para os Gmb's e Fynd's que existiam por todo lado, era uma cena diferente, infelizmente já não existe nada disso, e eu até comecei tarde a pintar. Se há coisa que não me arrependo é da minha história no graff.
 
Eler porquê? Que significado tem para ti?
Bem, não tem significado, começou por ser apenas Ele, pela própria estupidez que é o tag, mas mais pela simplicidade e tamanho dele, queria algo simples, que fosse de rápida execução, e também, porque gosto bastante das 2 letras. Mais tarde juntei o R porque achei que dava uma entoação mais fixe ao tag e porque o R é das letras que mais gosto de fazer.
 
Como é ser writer no Porto? Qual é a tua opinião da situação actual?
Opá uma verdadeira tristeza a meu ver, vê-se pouca gente a pintar, é uma cidade pequena em termos de graff,e quem pinta regularmente, pinta sem qualquer tipo de objectivo. Não se vê ninguém a querer levar a cena para uma fasquia mais elevada, ou vês estilos batidíssimos, ou vez grafs sem nexo nenhum, tipo uma cena que me faz uma grande confusão, pessoal cá pinta imenso para a net, e novelas da internet, etc. E a "nova escola" não tem qualquer tipo de respeito pelo pessoal mais antigo, fazem 3 missões de urbano e já são os Banos da rua deles, já se acham no direito de ter uma dica a mandar. Antigamente não era assim, sinto uma queda grande da verdadeira essência do graff na minha cidade e isso deixa-me triste.
 
Como defines o teu estilo? 
O meu estilo é puro bombing, mais elaborado do que as puras letras gordas e legíveis cheio de setas e cortes, mas que veio evoluindo aos pouquinhos até chegar ao que faço hoje. Quem me acompanha sabe que sempre fui trabalhando para criar uma boa cena, tem dias, mas sinto me contente com o que faço e isso é o mais importante.
 
Comboios é sem duvida o teu alvo favorito, porquê?
Nada sabe melhor do que pensar, preparar e concretizar uma missão. Acho que é o patamar mais alto que podes chegar no graff, porque pintar uma chapa da autoestrada é muito fixe, sabe bem, mas é para quem quer , e eu gosto de fazer coisas que sejam para quem pode. Gosto do sabor de missão cumprida, de conseguir passar por cima de todos os sistemas de segurança de forma limpa, de organizar um plano. Tu ao pintares na rua, é chegar e pintar, eu quando posso faço-o e gosto mas lá está, qualquer um pode fazê-lo, apesar de existir sempre excepções de spots. E todo o bomber que diz que prefere pintar na rua que num comboio é hipócrita, isso venha quem vier.
 
Qual é a tua motivação?
 Fazer com que eu e a minha crew continuem no activo, há sempre fases, mas o que é certo é que por cá continuamos, e os nossos nomes por ai andam a girar,para a frente e para trás, aqui e ali. Parar é morrer e desistir é para os fracos.
 
Com que olhos vês a competição no porto? Achas que é bom e motiva a pintar mais e melhor, ou são obstáculos para poderes fazer os teus actions tranquilo?
Sinceramente? Não vejo gente suficiente cá para fazer um campeonato, não quero competir, e honestamente não vejo os gajos activos cá preocupados com competições. Nós temos os nossos actions e quando deixarem de bater arranjamos outros, isso só preocupa pessoal que pinta os spots d'ouvido. Eu pinto o que quero quando quero, haja é vontade.
 
Há muitos writers a pintar trains no Porto?
A minha equipa, a equipa do Baco e o Fynd.
 
Quem anda com boa actividade?
São sempre os mesmos, mas o Baco merece o meu destaque.
 
Fora do porto mas dentro de Portugal, alguma outra cidade que gostes de pintar? 
Lisboa sem dúvida, faço até intenções de mudar para a capital. O Porto parece que cada vez está mais pequeno.
 
Todo o train writer, viaja e tu não es diferente. Por onde já passaste, e quais países que te deixam com vontade voltar?
Do que mais gosto do graff é viajar, é pena eu ser o verdadeiro tuga teso que nem um carapau, mas um gajo manda se sempre, resumindo isto a países, Espanha, França, Suiça, Bélgica, Itália, Holanda, Dinamarca, Alemanha. Tenho vontade de voltar a todos, há tanto sempre para ver e fazer, amigos a rever e pessoas novas a conhecer. Este ano com certeza haverá mais um ou 2 destinos a realizar.
 
Uma história que queiras partilhar de alguma viagem?
A história é sempre a mesma, cheiro muita mal dos pés, mas eu juro que é tanga, a mim nunca me cheira a nada.
 
Algo que tenhas feito e que te marcou para sempre, e algo que desejas fazer, e ainda não tiveste oportunidade?
Tudo o que faço me marca, por isso não tenho nada assim que possa deixar em numero 1. Ei, desejo tanta coisa, olha ter dinheiro para viajar é o que mais desejo, atravessar o Atlântico, e percorrer aquilo de cima a baixo, desejos, desejos...
 
Projectos futuros?
Abrir um dentista, sempre quis, acho que é um bom negócio nos dias que correm.
 
Palavras de motivação para os mais novos, e para os mais Old School?
Virem artistas, graffiti a sério não da guita.

Props?
A toda a minha crew, ao grande pai preto Onim, aos REIS de Lisboa, Pai Zé não mereces nada ahah, ao grande OXI, ao Fynd que o Salgueiros não dá um chuto, ao Baco sempre a dar , Nervo Tattoo team estamos cá sempre, pessoal da Kate, Ubre , Runs , Zher, e a todos os amigos por esse mundo todo que fiz e me ajudaram na terra deles. A todos os taxistas que enganei um abraço, a todos os checkers que já me safaram um brinde a voçês. A todas as mulheres que me fascinam aahh! E a todas as companhias e sistemas deste jogo.
 

ÚLTIMAS NOTICIAS